PROCRASTINAR

As 3 Principais Razões Pelas Quais Algumas Pessoas Não Conseguem Parar de Procrastinar

Quando você olha para a lista de maus hábitos que a maioria das pessoas deseja eliminar das suas vidas, a procrastinação está no topo da lista. É um mal hábito que está entre nós há séculos, então não é novidade para ninguém. De acordo com Dr. Timothy Pychyl, a primeira referência documentada sobre procrastinação data de um sermão escrito em 1682.

Mas o que torna a procrastinação tão atraente? Por que é tão difícil se desapegar dela mesmo sabendo que ela afeta negativamente nossa produtividade? Sem falar na nossa paz de espírito? Se você está lutando contra a procrastinação e se perguntando por que ainda não foi capaz de quebrar este hábito, considere essas três razões listadas abaixo:

1. Você sempre termina as coisas a tempo:

A procrastinação, em geral, significa começar a fazer o que você tem de fazer somente quando está em cima da hora . Geralmente ocorre você quando percebe que não há mais escapatórias e começa a trabalhar feito um louco. De repente você recebe uma descarga de energia (que você nem sabe de onde veio) e começa a  focar toda sua atenção em sua tarefa, ignorando o resto do mundo. Você passa horas acordado, trabalhando freneticamente e no último minuto, UFA! O trabalho está terminado!

Esta maneira de fazer as coisas lhe dá uma falsa sensação de confiança. Faz com que você acredite que consegue fazer qualquer coisa independentemente do quão tarde comece a tarefa. A emoção de alcançar algo que antes parecia tão impossível como, por exemplo, a criação de uma apresentação inteira para uma reunião importante em apenas uma noite, lhe dá uma sensação de realização inesquecível. Você se sente orgulhoso de si mesmo, aliviado (e provavelmente esgotado). Mas o importante é que você completou o seu trabalho! E talvez conseguiria até fazê-lo novamente… assim você arranja uma razão para continuar procrastinando: ela te dá motivação!

2. Não tem prazos definidos para suas metas pessoais:

Procrastinar significa: “Espere até o último minuto para fazer as coisas que tem que fazer”. Mas isso só funciona se você sabe identificar quando é o “último minuto”. Sem um prazo claramente definido e estabelecido você corre o risco de não concluir seu trabalho no prazo final. Mas nem tudo na vida vêm com prazo pré-determinado.

Considere seus objetivos da vida. São metas pessoais que geralmente não têm prazos definidos. Você sabe que quer obter certo resultado, mas se dá liberdade com relação ao prazo estabelecido. Por exemplo, vamos supor que você tenha o objetivo de perder dez quilos. Você sabe que precisa perder aqueles dez quilos, mas não há um prazo para isso, pois é você quem determina esse prazo. No início de nossas vidas existem algumas expectativas ou “prazos” estabelecidos, as pessoas esperam que você comece a gatinhar com uns 10 meses e a falar com 24 meses; que comece a escola primária com cerca de 6 anos de idade e termine o ensino médio com cerca de 18. E, então, que arranje um trabalho.

Mais tarde você tem mais liberdade. Ninguém lhe diz exatamente quando você deve começar a namorar ou se casar. Você é quem estabelece seus próprios prazos, como por exemplo: quando dar o próximo passo em sua carreira, começar seu próprio negócio, escrever um livro, aprender francês, tornar-se um professor ou ajudar uma instituição de caridade. Sem prazos pré-estabelecidos não há mais tanta pressão. E quando não se tem pressão, dificilmente fazemos alguma coisa a respeito, e assim não atingimos nossos objetivos.

3. Você pensa que procrastinar é um problema

Tendemos a pensar na procrastinação como um problema. É como se fosse um mau hábito ou uma característica irreversível de nossa personalidade e, geralmente, acreditamos que ela drena constantemente o nosso potencial e inviabiliza as nossas realizações. Mas a procrastinação nem sempre é um problema, na verdade, às vezes ela pode até ser uma solução: um atalho que o seu cérebro cria em resposta à necessidade de fazer alguma escolha.

A procrastinação é a tendência de atrasar a ação, é a desconexão entre a intenção e a ação. Para transformar um plano em ação, nosso cérebro analisa uma vasta quantidade de informações no seu ambiente interno e externo, só a partir de então toma as decisões necessárias sobre o que fazer em seguida. Quando você tem todas as informações que precisa, começa a agir; mas quando não tem tudo que precisa, seu cérebro para e começa planejar. Esse planejamento se chama “procrastinar”.

Isto poderá representar uma mudança fundamental na forma que você concebe o ato de procrastinar: Em vez de considerá-la como um grande problema ou como um hábito que você precisa abandonar, pense nela como um alarme, um alerta vermelho de que está faltando alguma coisa. Algo está impedindo que você comece a fazer as coisas que precisa. Seu trabalho agora é descobrir o que está o impedindo. E quando você descobrir o que é, os ventos soprarão a seu favor.

Fonte: PsychologyToday traduzido e adaptado por Psiconlinews.com
Imagem: time - pixabay.com

Deixe uma resposta

WhatsApp chat