Obediência e desobediência – “Síndrome de Down”

No geral, sempre que a questão de obedecer vem à tona é tomada a criança como objeto, visto que estas devem sempre obedecer aos seus pais ou outros adultos por elas responsáveis, no entanto destaca-se entre os relatos mais comuns a falta de obediência do que seu oposto. Assim, pouco observa-se o outro lado da questão e que pode ser fundamental na eficácia da mensagem, ou seja, é necessário compreender como a ordem a ser obedecida chega até a criança.
Dessa forma, alguns aspectos que são fundamentais:
•    Ordem, instrução ou mensagem: Deve ser clara e que possa ser perfeitamente entendida pelo destinatário. É muito importante lembrar que as crianças com síndrome de Down têm mais facilidade para aprender e entender seguindo exemplos e não tanto instruções faladas. Valerá o esforço de demonstrar a tarefa e certificar-se que a criança entendeu perfeitamente o que lhe foi pedido.

  •    Capacidade ou competência: Além de ter certeza de que a criança compreendeu a mensagem, é necessário ter certeza de que também terá capacidade para executar a tarefa. A mãe pode mandar o filho lavar a cabeça no banho e ele pode até saber o que é isso, mas nada foi dito sobre quanto de shampoo deve ser empregado na tarefa, nem como se servir ou até mesmo alcançar o produto. É importante exercitar a atividade algumas vezes, dando autonomia à criança antes de pedir que faça sozinha. E lembre-se que pequenos acidentes podem e farão parte do aprendizado.
  •    Coerência: O pedido ou a ordem deve estar de acordo com o modo de vida e a rotina da casa. A mãe não pode mandar o filho arrumar suas roupas, sapatos e brinquedos, mas se outras pessoas da casa deixam tudo jogado, a ordem deve abranger a todos para ter coerência.
  •    Atenção: As crianças têm a tendência de repetir e copiar os adultos, então se a mãe lhe deu uma atenção fraca quando emitiu a mensagem, a criança tenderá a dar o mesmo tipo de atenção ao pedido. Por exemplo, se a mãe manda o filho juntar os brinquedos enquanto ela não para de lavar a louça, provavelmente nada acontecerá com os brinquedos. No entanto, se ela parar de lavar a louça, for até o filho, obter sua atenção e dizer-lhe para guardar os brinquedos enquanto ela lava a louça, a possibilidade de seu pedido ser aceito, compreendido e executado será muito maior.
  •    Repetição ou insistência: Talvez esta seja a parte onde mais se falha e posteriormente a criança seja descrita como desobediente ou teimosa. Os pais dizem que costumam mandar dezenas de vezes até que a criança obedeça e pode ser verdade. Quando uma ordem for dada várias vezes seguidas, a criança fica sem saber se realmente chegou a hora de atender. Talvez ela acredite que ainda falta ouvir mais algumas vezes antes de agir. Ela só vai agir quando souber que foi a última vez. Imagine aquela situação clássica em que a mãe manda dez vezes o filho tomar banho, depois cansada de tanto mandar pede ajuda ao pai. Este levanta de onde está, vai até o guri e diz: “Você não ouviu?”. Parece que milagrosamente ele é atendido.
    Se estes ponto não forem levados em conta é sempre muito mais fácil dizer que a criança é a errada. E enquanto não crescer a agir como adulto vai continuar teimosa e desobediente.
Texto escrito por José Nauiack, para o livro 
Bioecologia do Desenvolvimento na Síndrome
de Down - Práticas em Saúde e Educação 
Baseadas em Evidências - 
Editora Íthala,
de Maria de Fátima Joaquim Minetto e 
Beatriz Elizabeth Bagatin Veleda Bermudez
Um comentário em “Obediência e desobediência – “Síndrome de Down”
  1. Wow, awesome blog layout! How long have you been blogging for? you made blogging look easy. The overall look of your web site is great, let alone the content!

Deixe uma resposta

WhatsApp chat