Onde estão os heróis?

Quem nunca sonhou em ser um super-herói quando criança? Alguns sonhavam em ser o Superman, outros preferem o Batman. Há quem ache mais interessante o Deadpool. Tanto faz!

Usar uma capa? Usar uma máscara?

Mas afinal, o que é ser um herói? Você acredita em heróis? Os grandes mitos da ficção (e também da mitologia) foram criados para nos instigar a descobrir o que há de mais precioso em nós e despertar o espírito de empatia e bravura. Eram os Super-Heróis da época. Digamos que o panteão era uma espécie de Liga da Justiça. Ou Vingadores.

Ao longo de nossa jornada no dia (Sim, no dia) nos tornamos muitas vezes heróis e vilões. Pessoas capazes de destruir e de criar. De salvar ou arruinar. De trazer vida e morte. Sem a necessidade de aprofundar a reflexão, pois meus neurônios estão em transe a esta hora, deixo aqui meu recado: o heroísmo passa longe do egoísmo. É a busca do bem comum, da realidade absoluta para todos, de trazer alegria às pessoas que lhe são caras, mesmo que isso lhe provoque dor e tristeza.

Vamos manifestar, então, o amor, carinho e afeto que sentimos pelas pessoas agora, como deve ser. E vamos aprender a perdoar e esquecer. É justo passarmos 10, 15, 20 anos sofrendo por uma bobagem que provavelmente começou com um copo de cerveja? Perdoar é divino. Esqueçamos o rancor, isso é veneno.

Quando gostamos das pessoas e às vezes elas nos tratam mal, é difícil de entender. Mas o fato é que nestes momentos de ira nossa língua se enche de fúria e dispara veneno. É neste instante que devemos aprender a ouvir com o coração, não apenas com os ouvidos.

Todos podem ser heróis: o jornalista, o profissional da saúde, o professor, o policial, o gari, o médico, o cidadão de bem. Basta agir. Conhecimento sem ação é um barco em terra firme. Saiba, queira, ouse e cale! Viva! Ser um herói é ser você mesmo. Sem autenticidade, não há heroísmo!

Escrito por: Diego Franzen para equilibrioemvida.com
Imagem: Shazam! MediaStinger
WhatsApp chat